Informação

Neste Xat só serão promovidos a Membros aqueles que estiverem registados no Xat.com

Mais se informa que no Xat apenas se debatem as postagens.

Off-Tópics,Spam e Caps Lock não serão tolerados !

No Xat abaixo deste - Xat Playground,estas situações serão permitidas.

Em caso de infracção a estas regras os prevaricadores serão BANIDOS !

E em caso de reincidência DEFINITIVAMENTE BANIDOS !

Informação

Xat Playground

Local para Off-Tópics,Caps Lock,Spam....

Divirtam-se ;)

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Documentário Cowspiracy... A vida humana na Terra está condenada?

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Cientistas capturam explosão misteriosa ao vivo no espaço

Pela primeira vez, a chamada “explosão de rádio rápida” foi notada em tempo real

Última explosão de rádio rápida foi capturada ao vivo pelos cientistas da Universidade de Tecnologia de Swinburne, em Melbourne, Austrália Foto: Daily Mail / Reprodução

Um fenômeno misterioso que vem causando curiosidade nos cientistas nos últimos anos foi visto, pela primeira vez, no espaço “ao vivo”. A chamada “explosão de rádio rápida”, descrita como uma espécie de flash extremamente curto, de duração de milissegundos, foi captado por astrofísicos australianos. As informações são do Daily Mail.

Os cientistas tentam encontrar explicação para a “explosão” desde 2007, quando foi percebido pela primeira vez no telescópio Arecibo, em Porto Rico. Após a primeira vez, telescópios de todo o mundo foram alertados (tanto na Terra, quanto no espaço), para a melhor observação de outro possível fenômeno semelhante.

As ondas de rádio vêm de uma fonte desconhecida e nem a localização é sabida – sendo um grande enigma para a ciência.

Esta última explosão de rádio rápida foi capturada pelos cientistas da Universidade de Tecnologia de Swinburne, em Melbourne, Austrália. A líder da equipe, Emily Petroff, que usa o telescópio Parkes, acredita que as ondas vieram de algum lugar a 5,5 bilhões de anos-luz da Terra. “Nós fomos a primeira equipe a pegar uma explosão de rádio rápida em tempo real, pois são, geralmente, descobertas semanas, meses ou, até mesmo, mais de uma década depois que aconteceu”, contou.

Apesar da descoberta dos australianos, o mistério continua em torno do assunto, pois os cientistas não sabem o que é realmente o fenômeno, mesmo com todas as observações em vários comprimentos de onda – luz infravermelha, luz visível, luz ultravioleta e ondas de raios-X.

Para tentar desvendar o segredo dessas explosões, os astrofísicos e cientistas tentarão estudar as “pistas” deixadas. Isso porque o Parkes capturou uma polarização da luz que não fora percebida anteriormente: as ondas eletromagnéticas oscilam e seguem em direção linear ou circular; além disso, o sinal a partir da explosão de ondas de rádio foi mais do que 20% polarizado circularmente - o que sugere que existe um campo magnético na vizinhança.

Fonte: http://noticias.terra.com.br/ciencia/espaco/cientistas-capturam-explosao-misteriosa-ao-vivo-no-espaco,2d1a81c21070b410VgnVCM20000099cceb0aRCRD.html

Lado escuro da Lua poderá ser habitado futuramente

O lado mais claro do satélite parece ter alguns recursos abundantes - um assunto que vem sendo discutido entre os cientistas Foto: Daily Mail / ReproduçãoO lado escuro da Lua (e o mais distante da Terra) poderá ser habitado futuramente, segundo acredita a Agência Espacial Europeia (ESA).

Em um vídeo divulgado pela agência, chamado “Destino: Lua”, são revelados os planos para fazer do local hostil, um possível lar para robôs e humanos no futuro. As informações são do Daily Mail.

“A Lua poderá se tornar o lugar onde as nações do mundo poderão estar juntas no entendimento de nossas origens comuns, na construção de um futuro, e no compartilhamento da jornada para além”, diz o vídeo.

O lado mais claro do satélite parece ter alguns recursos abundantes, como no local onde fica o “homem da lua”, que, na verdade, podem ser rastros de basalto – um assunto que vem sendo discutido entre os cientistas. Já no lado escuro, não parece haver tal reserva. Apesar disso, a ESA aposta na possível presença de água em solo lunar, que tornaria possível, inclusive, a exploração de oxigênio e hidrogênio para a fabricação de combustível para foguetes.

“Isso poderia impulsionar-nos ainda mais para o sistema solar e para o próximo destino de nossa jornada para o cosmos. As missões futuras também poderiam usar o lado mais distante da Lua como um escudo contra os sinais de rádio vindo da Terra, a fim de olhar mais longe no espaço”, revela a agência.

Nesta área lunar, mais distante da Terra, há uma enorme cratera (que ocupa um quarto da área do satélite natural) que “vive no escuro”. Porém, nos picos desse buraco de milhares de quilômetros, existem espécies de montanhas, que poderiam ser usados para a moradia de robôs e humanos, devido à luz solar que bate ali e, também, à vista incrível.

Fonte: http://noticias.terra.com.br/ciencia/espaco/lado-escuro-da-lua-podera-ser-habitado-futuramente,a06ef9056811b410VgnVCM20000099cceb0aRCRD.html

Brasil, o país dos raios em 2015

Foto de arquivo.
Foto de arquivo.


O Brasil pode ser atingindo por 50 milhões de raios em 2015. Esta é a previsão de pesquisadores do INPE – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais.

No início do ano, pelo menos 5 pessoas morreram após serem atingidas por raios. E o final de 2014 foi marcado pela morte de 4 pessoas de uma mesma família, vítimas de um raio no litoral paulista, repercutindo o fato na imprensa internacional.

O raio é uma descarga elétrica que começa e normalmente fica na nuvem, mas conforme dados do INPE, em 10% dos casos os raios podem tocar o chão, causando tais tragédias. 
Segundo o físico do ELAT – Grupo de Eletricidade Atmosférica do INPE, Marcelo Saba, que participa dos estudos dos raios no Brasil, a maior incidência do fenômeno vai atingir o país durante o verão. 

Ainda de acordo com o pesquisador, devido a sua localização e área, o Brasil é um recordista de raios no mundo, conforme análise de anos anteriores e da atual situação global em termos de climatologia. 
Marcelo Saba explica que a melhor maneira de conduzir a forte descarga elétrica dos raios para um lugar seguro é através da instalação de para-raios. “Recentemente descobrimos que o para-raio tem também um papel ativo. Quando se aproxima um raio, ele lança uma descarga em direção àquela que vem descendo, e captura essa descarga e a leva para um lugar sem perigo para a população”. 

O físico chama atenção para a necessidade de se prevenir contra acidentes. “Quando se tem uma forte corrente elétrica passando pelo corpo humano, ela pode causar parada cardíaca ou respiratória. Se existir um pronto atendimento médico, será possível que a pessoa atingida pelo raio tenha uma boa recuperação, mas sem o socorro imediato as chances de sobrevivência são reduzidas.” 

A melhor orientação dada pelo pesquisador do INPE é que em situações de chuva e raios, principalmente nos finais de tarde durante o verão, as pessoas devem evitar locais abertos. “Na hora da tempestade tem que evitar estar em praias, piscinas, locais descampados, locais altos como telhados, e se proteger em locais com edificações sólidas e cobertas até que a tempestade passe”. 

Com relação ao trabalho realizado pelo Grupo de Eletricidade Atmosférica do INPE, Marcelo Saba destaca que o Instituto realiza o monitoramento de raios, através da instalação de antenas ao longo de todo o Brasil, para saber em que localidades há maior incidência de raios. “Isso tem uma série de vantagens, pois é possível saber onde estão as tempestades mais intensas, e aí é possível gerar alertas para edificações ou pessoas que estão trabalhando a céu aberto, ajudando assim a prevenir acidentes”. 

O ELAT ainda é responsável pela realização de pesquisas para entender como os raios acontecem. O monitoramento dos raios acontece 24 horas por dia, em toda a semana, sendo possível informar com a antecedência de até uma hora a chegada de uma tempestade em determinada região, para que a área possa ser evacuada.

Fonte: http://portuguese.ruvr.ru/news/2015_01_22/Entrevista-Brasil-o-pa-s-dos-raios-em-2015-7181/

NASA vai utilizar óculos de realidade virtual para exploração de Marte

nasa, microsoft, ciência, tecnologia, Marte, nanotecnologia, desenvolvimento, inovação

Os pesquisadores do laboratório NASA Jet Propulsion se uniram com a comanhia Microsoft para criar um programa chamada OnSight, que irá utilizar os óculos HoloLens para ajudar a explorar Marte.

O programa OnSight deverá usar dados reais coletados pelo rover Curiosity para criar uma simulação 3D do ambiente marciano, onde os cientistas da missão podem "manter reuniões" com vista ao desenvolvimento futuro do projeto do Curiosity e estudos de Marte.

A Microsoft apresentou nesta quarta-feira (21) os óculos de realidade virtual HoloLens, que criam imagens holográficas em torno do mundo real. O produto permite aos usuários interagir com objetos virtuais que se posicionam de acordo com o cenário real. Por exemplo, usar uma sala de estar como "fase" de um jogo.


O cientista de computação brasileiro Alex Kipman, conhecido por ter desenvolvido o Kinect, explocou o princípio básico que faz os óculos executar suas tarefas.

A grande novidade técnica do produto é um novo tipo de placa, chamada pela Microsoft de HPU, sigla para "holographic processing unit" ("unidade de processamento holográfico", em inglês). 

Graças a esse novo tipo de placa e a diversos sensores, os óculos analisam o ambiente ao redor e são capazes de, em tempo real, posicionar objetos virtuais como se fossem reais, segundo Kipman.

Fonte: http://portuguese.ruvr.ru/news/2015_01_22/NASA-a-usar-culos-que-criam-hologramas-para-explora-o-de-Marte-5230/

12 Desastres que poderão trazer o Fim do Mundo como nós o conhecemos

Nosso modo de vida é muito mais vulnerável do que a maioria das pessoas jamais se atreveria a imaginar. A única grande catástrofe pode alterar fundamentalmente todas as nossas vidas a qualquer momento. Mas desde que a maioria das pessoas ainda não experimentou uma catástrofe durante suas vidas inteiras, a maioria das pessoas simplesmente assume que nunca haverá uma. Isso é chamado de "viés da normalidade" e pode nos deixar muito falsa sensação de complacência.
 
12 Disasters That Could Bring About The End Of The World As We Know It
 
O outro dia, Michael Hanlon do Telegraph escreveu um artigo intitulado "Como o mundo vai acabar? De AI 'demoníaca' para a guerra nuclear - sete cenários que poderão acabar com raça humana ". Abaixo, eu discutir cada um desses sete cenários, juntamente com cinco outros adicionais que eu adicionei. Vivemos em um mundo que está se tornando cada vez mais instável, e como sociedade, tornaram-se extremamente dependente da tecnologia que temos nos cercado com. Se algo vier a acontecer o que nos obrigaria a viver como nossos avós e bisavós que, a maioria de nós estaria em uma enorme quantidade de problemas. E como a nossa tecnologia tem avançado, por isso tem o potencial que esta tecnologia será usada para a guerra e destruição. Há um grande mal no coração do homem, e o potencial para ferir os outros com que o mal nunca foi tão grande. E, claro, há sempre outros "eventos cisne negro" para se preocupar também. A seguir, são 12 os desastres que poderiam trazer sobre o fim do mundo como nós o conhecemos ...

1. Ataque de Asteróide

Um único asteróide potencialmente pode produzir um "ELE" - um evento de nível de extinção. E os cientistas estão encontrando mais asteróides que são potencialmente um perigo para a Terra o tempo todo. Por exemplo, apenas no outro dia pesquisadores russos descobriram um gigantesco asteróide que vai voar perto do nosso planeta a cada três anos ...
 
Os cientistas calcularam que asteróide  2014 UR116 vai voar em proximidade super perigosa para a Terra a cada três anos. Se ele colidir com o planeta a energia da explosão pode ser milhares de vezes maior do que o impacto do meteoritos Chelyabinsk .
 
Vladimir Lipunov, um importante cientista da equipe que descobriu o asteróide em outubro deste ano, diz que os cientistas sabem agora sua órbita e seu período, que é de 3 anos, mas não pode dizer precisamente quando o asteróide vai aproximar-se da Terra.
 
"Devemos segui-lo constantemente. Porque, se temos um único erro, haverá uma catástrofe. As consequências podem ser muito graves ", disse ele no documentário" Asteroids ataque "postado no site Roscosmos.

Se um grande asteróide que nos atingiu em apenas o lugar certo, poderíamos estar a falar de dezenas de milhões de mortes e do colapso de nações inteiras. O que se segue é um trecho de um dos meus artigos anteriores sobre o que poderia acontecer se um grande asteróide fosse desabar ao largo da costa leste dos Estados Unidos ...
 
De acordo com a Universidade da Califórnia em Santa Cruz site, se um asteróide maciço eram a colidir com o Oceano Atlântico que poderia produzir um tsunami gigante com uma parede de água tão alto quanto 400 pés que batem na costa leste dos Estados Unidos ...
 
Se um asteróide chocar com a Terra, é provável a espirrar em algum lugar nos oceanos, que cobrem 70 por cento da superfície do planeta. Enormes ondas do tsunami, espalhando-se do local do impacto, como as ondulações de uma pedra jogada em uma lagoa, inundaria áreas costeiras densamente povoadas. Uma simulação de computador de um tsunami impacto de um asteróide desenvolvido por cientistas da Universidade da Califórnia, em Santa Cruz, mostra ondas de até 400 pés varrendo para a costa atlântica dos Estados Unidos.
 
Caso você esteja se perguntando, sim, isso seria absolutamente catastrófico.

2. INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

Poderia o máquinas um dia levantar-se e assumir o poder?

Pessoalmente, eu sou cético, mas algumas das mentes mais brilhantes do mundo estão profundamente preocupados com isso. Basta considerar o seguinte trecho do artigo de Michael Hanlon no Telegraph .
 
A humanidade pode já ter criado o seu próprio inimigo, Professor Stephen Hawking alertou na semana passada. O físico da Universidade de Cambridge afirmou que os novos desenvolvimentos no campo da inteligência artificial (AI) significa que dentro de poucas décadas, computadores milhares de vezes mais poderoso do que na existência hoje pode decidir usurpar seus criadores e efetivamente acabar com 100.000 anos o domínio da humanidade da Terra .
 
Este cenário Terminator é levado a sério por muitos cientistas e tecnólogos. Antes Prof. Hawking fez suas observações, Elon Musk, o gênio por trás do carro elétrico Tesla e PayPal, tinha afirmado que "com inteligência artificial, estamos convocando o demônio", comparando-a desfavoravelmente com guerra nuclear como a ameaça mais potente para a existência da humanidade .

3. Uma praga criada geneticamente

Ebola tem tipo de caído fora da notícia nos Estados Unidos, mas o vírus ainda está se espalhando como fogo sobre em Serra Leoa.

Mas é potencialmente ainda maior preocupação é o que poderia acontecer se alguém começou a divulgar uma forma weaponized de Ebola, varíola ou o vírus Marburg em nossas grandes cidades.

A arma biológica pode ser um assassino brutalmente eficiente. Ele se espalha silenciosa e invisível, e uma pandemia desenvolvida poderia finalmente matar centenas de milhões de pessoas.

E todos os dias, a nossa capacidade de manipular esses bugs cresce. Muitos acreditam que é apenas uma questão de tempo antes que estes tipos de armas são usadas como instrumentos de terror.

Quando isso era chega, toda a nossa vida vai mudar para sempre.

4. GUERRA NUCLEAR

Estaa é um que a maioria dos americanos subestimam muito.

Mesmo que as tensões com a Rússia estão extremamente elevadas, a maioria de nós simplesmente assumem que "a Guerra Fria acabou" e que uma guerra nuclear é praticamente impossível.

Infelizmente, isso não é nem perto da verdade.

O seguinte é um trecho do meu recente artigo intitulado "10 sinais de que a Rússia está se preparando para lutar (e ganhar) uma guerra nuclear com os Estados Unidos" ...
 
Em 1967, o exército norte-americano possuía mais de 31 mil ogivas nucleares estratégicas. Agora, só temos 1.642 implantado, e esse número está programado para ser ainda mais reduzido para cerca de 1.500.
 
Infelizmente, a redução do tamanho do nosso arsenal nuclear em cerca de 95 por cento não é suficiente para cruzado anti-armas nucleares Barack Obama. Ele tem falado de reduzir unilateralmente o tamanho do nosso arsenal nuclear estratégico para apenas 300 ogivas.
 
Durante este mesmo período de tempo, os russos têm vindo a desenvolver alguns muito impressionantes sistemas de entrega furtivas que têm a capacidade de atingir alvos dentro dos Estados Unidos dentro de poucos minutos de uma ordem a ser emitido. Isto é particularmente verdadeiro de seus mísseis lançados por submarinos. Os mais novos submarinos russos têm a capacidade de abordar as nossas costas, sem nós, mesmo sabendo que eles estão lá. Se os russos chegaram à conclusão de que a guerra com os Estados Unidos era inevitável, uma primeira greve esmagadora usando mísseis baseados em submarinos poderiam potencialmente tirar quase todo o nosso arsenal antes mesmo de sabermos o que nos atingiu. E se os russos têm um sistema de mísseis anti-balísticos que podem interceptar o número limitado de foguetes que podemos lançar em troca, eles podem ser capazes de escapar relativamente incólume.
 
Para que "destruição mútua assegurada" para trabalhar, temos que ver os mísseis russos chegando e ter tempo suficiente para pedir um lançamento do nosso próprio país. Graças a tecnologias emergentes, o equilíbrio de poder tem fundamentalmente mudou. A velha maneira de pensar simplesmente não se aplica mais e os russos entendem isso.

5. acelerador de partícula e o DESASTRE

Michael Hanlon considera este um para ter uma probabilidade "muito baixo", e eu concordo. Embora a nossa capacidade de destruir a nós mesmos está crescendo aos trancos e barrancos, eu acredito que qualquer desastre com o Large Hadron Collider seria um evento localizado.

Mas à medida que continuamos a tentar "brincar de Deus" e construir máquinas como esta, nós potencialmente abrir gateways e expomos a perigos além de qualquer coisa que a maioria de nós jamais imaginou.

6. 'Deus' chega para o OFF-SWITCH

Eu pensei que era muito interessante que Michael Hanlon incluindo esta, em seu artigo ...
 
Muitos cientistas têm apontado que algo suspeito sobre o nosso Universo. As constantes físicas - os números que regem as forças fundamentais e as massas de natureza - parecem aperfeiçoá-lo para permitir que a vida de alguma forma de existir. O grande físico Sir Fred Hoyle uma vez se perguntou se o universo pode ser um "trabalho de colocá-up".
 
Mais recentemente, o filósofo de Oxford University Nick Bostrom tem especulado que o nosso universo pode ser uma das incontáveis "simulações" que funcionam em algum computador estrangeiro, bem como um jogo de computador. Se assim for, temos a esperança de que os seres por trás do nosso universo falso são benignos - e não chegam para o botão off devemos começar se comportando mal.

Então Deus poderia intervir e alterar o curso da história?

Bem, isso certamente tem acontecido antes, e muitos estão convencidos de que isso vai acontecer novamente.

Muitos cristãos acreditam (eu incluído) que estamos nos movendo para o período de tempo em que a Bíblia chama de "últimos dias". De acordo com as Escrituras, nunca houve um momento tão horrível como os últimos dias serão, e nunca haverá um momento como ele depois.

É claro que a Bíblia também diz que "os últimos dias" não será o fim do mundo.

Mas vai ser o fim do mundo como nós o conhecemos.

7. CATÁSTROFES CLIMÁTICAS

Há um monte de gente lá fora que acreditam que o aquecimento global causado pela atividade humana é a maior ameaça que a humanidade está enfrentando atualmente.

Eu não sou uma dessas pessoas. O clima tem sido sempre a mudar, e ele vai sempre estar mudando. E a quantidade de dióxido de carbono e outros "gases de efeito estufa", produzido pela atividade humana é uma percentagem insignificante do total.

Além disso, os cientistas nos dizem que houve momentos na história deste planeta, quando os níveis de dióxido de carbono foram muito, muito maior do que eram hoje. Assim, mesmo se tivéssemos que voltar nessa direção substancialmente, certamente não significaria o fim do nosso planeta.

No entanto, isso não significa que não vamos ver grandes mudanças no nosso clima nos próximos anos. O principal motor da mudança do clima, o sol, está se comportando de forma muito estranha agora. Se ele continuar a se comportar de forma irregular, que poderia causar mudanças climáticas dramáticas.

Além disso, o aumento da atividade sísmica que temos vindo a assistir a todo o planeta também pode afetar muito o nosso clima. A cinza vulcânica pode ter um impacto tremendo resfriamento sobre os padrões climáticos globais, e vulcões que entram em erupção no fundo do oceano poderia potencialmente causar temperaturas do oceano a subir substancialmente. Os cientistas nos dizem que, se as temperaturas do oceano estavam a subir o suficiente, podemos ver bilhões de morte dos peixes. Se tal evento ocorrer, a fome global não seria muito atrás.

8. superbactérias resistentes a antibióticos

Os profissionais médicos estão se tornando cada vez mais alarmados com as superbactérias resistentes aos antibióticos que estão começando a aparecer em todo o lugar. Até agora ele não é uma ameaça catastrófica, mas especialistas advertem que poderá em breve tornar-se um. O que se segue é um trecho de um dos meus artigos anteriores ...
 
Os "remédios milagrosos" que têm vindo a utilizar a partir de meados do século passado estão a perder rapidamente a sua eficácia, e autoridades médicas estão alertando que o surgimento de muito poderosas superbactérias resistentes aos antibióticos representa "uma das ameaças mais graves na história da medicina ". É claro que os "remédios milagrosos" que eu estou falando são conhecidos hoje como antibióticos. Estas drogas atacam as bactérias e, quando começou a ser desenvolvido na década de 1950 e 1960, eles foram saudados como "milagres" que salvariam um número incontável de vidas. Bem, acontece que a natureza está rindo por último. Em todo o planeta bactérias estão desenvolvendo resistência a essas drogas, e os cientistas estão alertando que eles não podem fazer nada para impedir que estes superbactérias. Com o passar dos anos estas superbactérias estão ganhando terreno, e não parece ser não muita esperança no horizonte de ser capaz de lutar contra eles.

Na verdade, não há novas classes de antibióticos foram inventadas desde 1987, e nenhum deles está sendo desenvolvido agora. Enquanto isso, cientistas estão nos dizendo que muitos tratamentos com antibióticos atuais será completamente obsoleto no ano 2030. Você está começando a entender por que tantos membros do alto nível da comunidade científica está usando as palavras "ameaça catastrófica" para descrever esta crise?

9. ciberguerra

Você viu o que aconteceu com a Sony? É provavelmente o incidente mais embaraçoso e financeiramente prejudiciais na história da empresa. É claro que os norte-coreanos estão negando que eles estavam por trás do ataque, mas há uma boa chance de que eles estavam.

Infelizmente, isso poderia ser apenas uma prévia do que está por vir.

Por exemplo, o que aconteceria se um ciberataque derrubou todos os nossos principais bancos? O que faríamos?

A maioria das pessoas não percebem isso, mas nossos bancos já estão sob ataque cada minuto de cada dia ...
 
Bancos de Wall Street estão sendo atingidos por ataques cibernéticos cada minuto de cada dia. É um ataque maciço que não é muito divulgado porque os banqueiros não querem alarmar o público. Mas, como você verá a seguir, um grande banco de Wall Street está a gastar 250 milhões de dólares por ano apenas por eles mesmos para combater este problema crescente. A verdade é que o nosso sistema financeiro não é tão estável como a maioria dos americanos acha que ele é. Nós nos tornamos mais dependentes da tecnologia do que nunca, e que vem com um potencial enorme desvantagem.

10. OUTRO FUKUSHIMA

O desastre nuclear de Fukushima mostrou a todos nós como um único desastre natural pode absolutamente aleijar um reator nuclear.

E, claro, as coisas ainda não estão sob controle em Fukushima. Ele já é o maior desastre nuclear da história da humanidade, e ele ainda está liberando ainda mais material nuclear para o meio ambiente a cada dia.

Uma vez que esse material entra na cadeia alimentar, pode matar em silêncio por gerações. A seguir vem de um artigo de opinião por Helen Caldicott que foi publicado no Guardian ...
 
Radiação interna, por outro lado, emana a partir de elementos radioactivos que entram no organismo por inalação, ingestão ou absorção pela pele. Radionuclídeos perigosos como o iodo-131, césio 137, e outros isótopos actualmente a ser lançado no mar e ar em torno de Fukushima bio-concentrado em cada passo de várias cadeias alimentares (por exemplo em algas, crustáceos, peixes pequenos, peixes maiores, então os humanos ; ou o solo, grama, carne de vaca e leite, em seguida, os seres humanos). Depois de entrarem no corpo, estes elementos - chamados emissores internos - migram para órgãos específicos, tais como o da tiróide, do fígado, dos ossos e cérebro, onde se continuamente irradiar pequenos volumes de células com altas doses de alfa, beta e / ou radiação gama, e ao longo de muitos anos, pode induzir a replicação celular descontrolada - isto é, do cancro. Além disso, muitos dos nuclídeos permanecer radioativo no meio ambiente para as gerações, e, finalmente, vai causar um aumento da incidência de câncer e doenças genéticas ao longo do tempo.

Então o que acontece um dia quando um desastre natural catastrófico nos Estados Unidos ou no resto do mundo faz com que vários "Fukushimas" ao mesmo tempo?

Isso é algo para se pensar.

11. Uma grande erupção no SUPERVULCÃO YELLOWSTONE

Em todo o mundo, existem alguns vulcões que são tão absolutamente enorme no tamanho que eles são referidos como "supervolcões".

Um destes é supervolcões nos Estados Unidos. Os seguintes fatos sobre o supervulcão de Yellowstone vem de um dos meus artigos anteriores ...

# 1 A erupção em larga escala de Yellowstone poderá ser até 1000 vezes mais poderoso do que a erupção do Monte St. Helens, em 1980.

# 2 A erupção em larga escala de Yellowstone iria expelir cinzas vulcânicas 25 milhas para o ar.

# 3 A próxima erupção do Yellowstone parece estar cada vez mais perto a cada ano que passa. Desde 2004, algumas áreas do Parque Nacional de Yellowstone subiram tanto quanto 10 polegadas.

# 4 Há aproximadamente 3.000 terremotos na área de Yellowstone a cada ano.

# 5 Em caso de uma erupção em larga escala de Yellowstone, praticamente todo o noroeste dos Estados Unidos será completamente destruído.

# 6 A erupção massiva de Yellowstone significaria que quase tudo dentro de um raio de 100 milhas de Yellowstone seria imediatamente morto.

# 7 Uma erupção em larga escala de Yellowstone também poderiam despejar uma camada de cinza vulcânica que é de pelo menos 10 metros de profundidade de até 1.000 quilômetros de distância.

# 8 A erupção em larga escala de Yellowstone cobriria praticamente todo o centro-oeste dos Estados Unidos com a cinza vulcânica. A produção de alimentos na América seria quase totalmente exterminada.

# 9 O "inverno vulcânico" que uma grande erupção Yellowstone causaria esfriaria radicalmente o planeta. Alguns cientistas acreditam que as temperaturas globais diminuiria em até 20 graus.

# 10 America nunca mais seria o mesmo novamente depois de uma erupção massiva Yellowstone. Alguns cientistas acreditam que uma erupção completa por Yellowstone tornaria dois terços dos Estados Unidos completamente inabitável.

# 11 Os cientistas nos dizem que não é uma questão de "se" Yellowstone vai entrar em erupção, mas sim "quando" a próxima erupção inevitável ocorrerá.

12. A Gigante pulso eletromagnético do Sol

Este último que eu tenho adicionado à lista é uma das menos compreendidas.

Um pulso eletromagnético gigante do sol tem o potencial para fritar grande parte da tecnologia que nos tornamos tão dependentes.

Como você sobreviver em um mundo onde ninguém tem electricidade, a Internet tem sido frito, o sistema financeiro está desconectado indefinidamente, ninguém pode fazer todas as chamadas telefônicas e praticamente todo o comércio em todo o país foi submetido a uma paralisação completa?

Uma enorme explosão EMP tem o potencial para emitir a todos nós de volta ao século 18 em um único instante. E apenas dois anos atrás, houve um "quase acidente" que quase nos.

Então, não acho que isso não pode acontecer. Na verdade, os especialistas nos dizem que é apenas uma questão de tempo antes que ele faz.

E quando isso acontecer, ele poderia se transformar nossa sociedade totalmente de cabeça para baixo

De acordo com Peter Vincent Pry, que aconselha o Congresso sobre questões de segurança interna, uma grande tempestade solar suficiente geomagnética poderia produzir efeitos semelhantes a um pulso eletromagnético (EMP) gerado por uma arma nuclear que "pode entrar em colapso redes de energia em todo o planeta e destruir EHV (alta tensão) transformadores extras e outros sistemas eletrônicos que exigiriam anos para reparar ou substituir. "Enquanto o perigo representado por uma tempestade solar G5 é mencionado ocasionalmente em audiências no Congresso, não há realmente não foi qualquer ação principal.

No início deste ano, um conselheiro de Segurança Nacional disse que a América não está pronto para um ataque EMP, nunca mente uma tempestade solar G5, e é alegado que a rede elétrica dos EUA falhar mais vezes do que qualquer outro no mundo. Se uma grande tempestade solar suficiente tem impacto sobre os Estados Unidos, os sistemas eletrônicos danificados podem causar uma cascata de falhas em toda a infra-estrutura mais ampla, incluindo sistemas bancários, sistemas de energia, sistemas de transporte, sistemas de produção e distribuição de alimentos, sistemas de água, serviços de emergência, e até mesmo a internet, para que as pessoas podem nem mesmo perceber à primeira o que aconteceu. Efetivamente, os EUA seriam jogados de volta à era pré-industrial na sequência de uma supertempestade solar, e ainda não estamos preparados para o pior.

Fonte: http://endoftheamericandream.com/archives/12-disasters-that-could-bring-about-the-end-of-the-world-as-we-know-it

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Universitários portugueses vencem concurso para levar vida a Marte


Parabéns à equipa de universitários portugueses, Seed, que ganhou a competição da Mars One. O projeto vencedor ambiciona germinar sementes de diferentes plantas em condições controladas em Marte, já em 2018. Estes serão os primeiros seres vivos conhecidos na superfície do "planeta vermelho".

Esta equipa de estudantes universitários, na sua maioria do Porto, é composta por Daniel Carvalho, Guilherme Aresta, Teresa Araújo, Miguel Ferreira, Raquel Almeida, Miguel Valbuena, Jack van Loon e Maria Helena Carvalho.

Este projeto integrará a missão Lander, que será enviada para Marte pela Mars One, já em 2018. Esta experiência estudará o desenvolvimento de plantas em Marte e irá antecipar em dois anos o projeto Mars Plant Experiment (MPX) da Agência Espacial Norte-Americana (NASA).

Segundo Daniel Carvalho, os resultados podem "contribuir para o desenvolvimento de sistemas de suporte de vida para futuras missões espaciais baseadas na produção de oxigénio e alimento por via das plantas" e, além disso, "contribuir para o estudo do comportamento da planta em ambientes de gravidade parcial (0.38g)"

Os Seed escolheram enviar a planta Arabidopsis thaliana, "uma planta muito bem estudada, até na área aeroespacial, a bordo da Estação Espacial Internacional", que tem "uma taxa de crescimento rápido, apesar das suas sementes de reduzido tamanho." No entanto, poderão ser usadas "outras sementes, como a Brassica rapa ou a mais conhecida rúcula", a decisão final irá ponderar também as sugestões apresentadas por quem votou na equipa pelo Twitter.

Fonte: http://www.cienciaviva.pt/esero/noticias/?accao=shownot&id_n=138

Células dentro de células: Uma hipótese extraordinária com evidência extraordinária

Sabia que há mais bactérias a viver nos nossos intestinos do que células no nosso corpo? Este pode ser um pensamento perturbador, mas sem a flora intestinal teríamos dificuldade na digestão de muitos grãos, frutos e vegetais, teríamos mais alergias e um sistema imunitário mais fraco, já para não falar das infeções por bactérias prejudiciais que poderíamos contrair se os nossos intestinos não estivessem ocupados por espécies amigáveis.

Lynn Margulis em 2005

Lynn Margulis em 2005.
 
Os biólogos pensam que temos uma relação ainda mais próxima — e mais antiga — com as bactérias do que era inicialmente pensado. Não só elas vivem em nós, como também temos os descendentes de bactérias antigas a viver dentro das nossas células. Não só somos o habitat das bactérias como, num sentido bastante real, nós somos bactérias.

Como é que os cientistas passaram a aceitar esta ideia surpreendente? Nos anos 1960, uma jovem microbióloga, chamada Lynn Margulis, reacendeu uma hipótese antiga. Baseada numa nova análise de evidência vinda dos campos da biologia celular, bioquímica e paleontologia, ela propôs que várias transições fundamentais da evolução ocorreram não através de competição e especiação, mas através de cooperação, quando linhagens celulares distintas se uniram e se tornaram num único organismo.

Para os colegas de Margulis, esta ideia parecia louca — era como sugerir que as pirâmides tinham sido construídas por seres extraterrestres — mas Margulis defendeu o seu trabalho apesar desta resistência inicial.

Ela inspirou cientistas de campos distantes da biologia a testar a sua hipótese no laboratório. À medida que a evidência se acumulou nas décadas seguintes à publicação do seu primeiro artigo, mesmo alguns dos críticos mais convictos tiverem de admitir que ela estava correta.

3 domínios da vida

Algumas das ideias de Margulis podem ter-lhe sido apresentadas como "factos" nos livros de biologia, mas provavelmente não sabia quão controversas estas ideias eram quando foram inicialmente propostas. Vamos conhecer melhor esta história de uma hipótese extraordinária — e da evidência extraordinária que a suporta.

Este caso de estudo evidencia os seguintes aspetos sobre a natureza da ciência:
  • A ciência pode testar hipóteses sobre eventos que ocorreram há muito tempo.
  • As ideias científicas são testadas com várias linhas de evidência.
  • A ciência é um empreendimento comunitário, que beneficia de um conjunto alargado e diverso de perspetivas, práticas e tecnologias.
  • As ideias científicas evoluem com nova evidência, no entanto ideias científicas bem suportadas não são ideias vagas.
  • Através de um sistema de controlo e equilíbrio, o processo da ciência pode ultrapassar tendências e preconceitos individuais.
  • A evidência é o árbitro mais importante na decisão sobre que ideias científicas são aceites.
Fonte: http://saberciencia.tecnico.ulisboa.pt/artigos/endossimbiose-01.php

Rio de Janeiro - calor de 50°,arrastões,falta de água e luz cara fazem verão virar inferno

Sob sol forte e intermináveis engarrafamentos, estação perde a tradicional alegria

 

                               Verão com sensação térmica de mais de 50°C no Rio de Janeiro

O verão é historicamente conhecido como a estação da alegria e do lazer. Mas, pelo menos no Rio de Janeiro, a época mais esperada do ano tem trazido emoções bem diferentes. Como se não bastassem as temperaturas que batem recorde, transformando um mero dia de sol num insuportável caldeirão, os arrastões nas praias, a falta de água e de luz em comunidades carentes e os intermináveis engarrafamentos sob sensação térmica de 50°C transformam o verão carioca num verdadeiro tormento. Se tudo isso não é suficiente para acabar com o bom humor, basta esperar o fim do mês para conferir a conta de luz. Tarifas 17,75% mais caras e aumento no consumo resultam num valor pelo menos 100% mais caro do que em outros meses.

Além do aumento da violência nos pontos turísticos, especialmente na orla, quem pisa na Cidade Maravilhosa passa por uma prova de resistência com as altas temperaturas e uma ausência de chuva que já dura 14 dias. Com muita sorte, o trabalhador pode embarcar em um ônibus com ar condicionado, para enfrentar os obstáculos, ou melhor, as obras da prefeitura espalhadas por toda a cidade, em um percusso que, devido às inúmeras intervenções, pode ser estendido por mais de três horas sob o sol escaldante. O prefeito insiste que as mudanças no trânsito trarão benefícios para a população. Resta saber, para qual geração da população, porque a atual vive apenas o sacrifício sem fim. E com a falta de água em algumas regiões, até tomar banho passa a ser uma missão complicada e que vai exigir resiliência da população.

No último fim de semana, as praias lotadas serviram mais uma vez como chamariz para a marginalidade, quadro que vem se repetindo e tornando-se cada vez mais comum desde o início da estação, com arrastões e assaltos, especialmente a turistas. Neste domingo (18), um tumulto em frente ao Shopping Leblon, na Zona Sul, deixou turistas e banhistas em pânico. Segundo a Polícia Militar, sete homens e 41 menores foram detidos e levados para a 14ª DP (Leblon). Uma viatura da PM foi atingida por uma pedra atirada por menores que deixaram a praia e seguiam um um coletivo, que também sofreu uma tentativa de depredação. Em revistas à ônibus, policiais aprenderam dois outros menores e um homem que portava um facão e drogas. No Recreio, na Zona Oeste, policiais apreenderam dois menores que portavam uma pistola falsa.

O sociólogo José Augusto Rodrigues, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), destaca uma característica peculiar no Rio. "Se por um lado observamos uma desigualdade socioeconômica, o Rio também permite uma mistura grande nos seus espaços públicos. A praia é democrática e pode ser também um espaço de conflito", avalia o especialista. Para Rodrigues, o poder público deveria promover ajustes nas políticas de segurança pública visando conter as "desordens urbanas" que vêm acontecendo nos fins de semana. "Claro que isso deve ser feito dentro dos limites do direito de ir e vir das pessoas, sem interferência de qualquer característica estigmatizante", salienta.

Quanto os problemas ocasionados pela falta de água e luz em alguns pontos do Rio, Rodrigues considera que são impactos que o governo regional já previa, no entanto, não preparou a população para o momento atual de crise. O especialista avalia que o cenário no estado, assim como em todo o Brasil, é consequência de um processo que vem ocorrendo desde a década de 50, quando aquecimento global ainda era um assunto para um futuro distante. "Os efeitos chegaram agora com mais intensidade. No ano passado, já registramos as temperaturas mais quentes no mundo e eventos climáticos também em esfera global", disse ele, acrescentando que o carioca agora está sentindo os efeitos de um fenômeno real, o aquecimento global.

Problemas estruturais

De três a cinco dias sem luz e água. Assim tem sido o verão na comunidade do Borel, na Zona Norte do Rio. Segundo Mônica Francisco, membro da Rede de Instituições do morro, a Light e a Cedae, concessionárias responsáveis pelo abastecimento dos serviços de energia elétrica e água, respectivamente, tem justificado aos moradores problemas de sobrecarga e consumo excessivo. "É um transformador que estoura, aí ficamos sem força elétrica para o funcionamento da bomba de água, então, ficamos sem água também. Um verdadeiro efeito dominó", conta a líder comunitária.

Interagindo com outras comunidades cariocas, Mônica garante que o quadro é o mesmo em diversas regiões pacificadas do Rio. "A Light reformou o seu sistema nessas áreas para regularizar a situação dos moradores, dando, inclusive, direito a desconto dependendo do nível de consumo. Como eles [Light] pararam de repente e sem qualquer justificativa os melhoramentos, o morro ficou dividido em registrados e não registrados, gerando outros tipos de problemas. Por exemplo, lançamento de contas com valores excessivos à moradores que passa o dia todo fora de casa, ou seja, tudo indica estar incorreto", conta Mônica.

Sem luz, a máquina que impulsiona água para caixa de distribuição não funciona, gerando mais um incômodo para a população. "Aí a coisa pega, é horrível ficar sem água neste calor. Passamos quase uma semana assim", relata ela. Situação parecida é vivida pelos moradores de duas comunidades do Complexo do Alemão, Matinha e Mineira. "Desde o ano de 2010 duas caixas d´água foram construídas pelas obras do PAC, uma ao lado do teleférico do morro da Mineira e outra no alto do morro da Matinha. Só que até hoje não instalaram o sistema e nem uma gota d´água caiu nesses reservatórios. A população continua com esse problema crônico", conta o Coordenador do Instituto Raízes em Movimento do Complexo do Alemão, Alan Brum Pinheiro.

Fonte: http://www.jb.com.br/rio/noticias/2015/01/19/rio-calor-de-50-arrastoes-falta-de-agua-e-luz-cara-fazem-verao-virar-inferno/

Comente no Facebook