segunda-feira, 28 de março de 2016

BRICS sob Ataque - O Império xontra-ataca no Brasil !

Apesar de toda a fantasia retórica anti-corrupção, o assalto ao governo de esquerda do presidente Rousseff é o resultado de uma campanha coordenada por interesses empresariais ligados a Washington e Wall Street.
A última década assistiu a uma coalescência notável de nações não-ocidentais em ambas as parcerias económicas e políticas. Essas instituições multilaterais têm sido defendida como alternativas aos órgãos ocidentais de poder político e econômico, como a OTAN, o Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial.
A partir do crescimento da Organização de Cooperação de Xangai para o estabelecimento da União Económica da Eurásia, da China "One Belt, One Road" estratégia para conectar-se a maior parte da Eurásia através do comércio e do investimento e, mais recentemente o estabelecimento da Infra-estrutura do Banco Asiático de Investimento, muitos têm visto estes desenvolvimentos como essencial para a descentralização do poder global longe dos centros imperiais de Washington, Wall Street, Londres e Bruxelas.
Mas, talvez, nenhum dos agrupamentos internacionais Sul global emergentes tem sido mais promissora em termos de relações públicas e de parceria económica real do que a dos países BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul).
BRICS representam 46 por cento da população do mundo - mais de 3 bilhões de pessoas, a partir de 2015 - tornando-se o maior bloco em termos de capacidade humana entre alianças globais. O âmbito do BRICS, combinado com a sua assertividade crescente como uma potência económica em si mesma, tem, sem dúvida agradou a algumas pessoas em Washington e no resto do Ocidente.
Ela deveria vir como nenhuma surpresa que os grandes movimentos foram tomadas nos últimos 12 a 24 meses para minar cada nação membro do BRICS e desestabilizá-los através de meios políticos e económicos. E não é por coincidência que os líderes mostrado sorrindo e apertando as mãos em recentes cimeiras BRICS estão agora ambos os alvos dos esforços de desestabilização e subversão - como nos casos do Brasil, Rússia, China e África do Sul - ou são alvo de um militar e ofensiva de charme político, como no caso da Índia. Em cada caso, os Estados Unidos e seus aliados beneficiar significativamente com os últimos desenvolvimentos.

Brasil na mira

Um dos métodos experimentados e verdadeiros do império EUA de desestabilizar um país-alvo é através da fabricação e promover escândalos políticos e / ou movimentos políticos que aparecem de oposição, mas cujos interesses, conscientemente ou não, se alinham com o estabelecimento dominante no Ocidente. Ambos os elementos estão em jogo no Brasil, que vem se movendo em direção ao aumento económico e, consequentemente, política, independência nos últimos anos.
Woman shows poster written in Portuguese
Uma mulher mostra poster escrito em Português "Não haverá um golpe" ao lado de uma imagem do presidente do Brasil Dilma Rousseff, durante uma reunião em seu apoio e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em Brasília, Brasil, sexta-feira 18 marco de 2016. Silva foi alvo de uma alegada investigação de corrupção envolvendo a gigante do petróleo Brasil Petrobras. (AP / Eraldo Peres)
No Brasil, o governo de Dilma Rousseff está enfrentando uma grande campanha de desestabilização orquestrada por elementos de direita poderosos do país e seus aliados norte-americanos. Sob a bandeira sempre conveniente de "anti-corrupção", milhões se voltaram para as ruas para exigir a queda do governo Dilma duas vezes eleito na esteira de uma série de revelações sobre alegada corrupção referentes ao quase-estado, quase- empresa privada de petróleo da Petrobras.
De acordo com as alegações, uma série de figuras políticas principais, alguns dos quais estão ligados a presidente Dilma Rousseff e o Partido dos Trabalhadores, têm desnatado, pelo menos, 3 por cento dos bilhões de dólares em receitas de petróleo da Petrobras, ilustrando a tradição ainda ativo da corrupção no Brasil .
O último alvo é o ex-presidente Lula da Silva, que foi retirado à força de sua casa em uma ostentação da força pelas autoridades de aplicação da lei destinado a humilhar a 70 anos fundador do Partido dos Trabalhadores. Por causa de seu fundo da classe trabalhadora, o ex-presidente foi visto como a esperança e orgulho da esquerda no Brasil, ea remoção pública de sua casa no início deste mês provocou a última rodada de protestos.
Mas o que - ou quem - está realmente por trás do golpe no Brasil?
A direita é a força motriz dos protestos, apesar de qualquer sentimento, anti-corrupção progressiva de espírito que está sendo expressa por vários segmentos do movimento de protesto. Dois dos principais grupos responsáveis ​​por organizar e mobilizar as manifestações são as andStudents Livre Movimento Brasil (MBL) para Liberty (EPL), sendo que ambos têm ligações diretas com Charles e David Koch, da direita, neocon, bilionários norte-americanos, como bem como outras figuras principais do, pro-business estabelecimento neoliberal extrema direita.
MBL é liderada por Fabio Ostermann e Juliano Torres, ambos os quais foram educados na Leadership Academy Atlas, um satélite da Fundação de Pesquisa Económica Atlas, que está directamente financiado pelos irmãos Koch. EPL é uma filial direta dos alunos baseados em EUA para a liberdade, um bem conhecido Koch irmãos equipamento com laços profundos com o establishment político de direita em os EUA
Um dos principais rostos do movimento é Kim Kataguiri, a 20-year-old "ativista", que é ao mesmo tempo um dos fundadores da MBL e um líder na EPL. Descaradamente pró-grande negócio, ele é um adepto da chamada Escola Austríaca de Economia, a ideologia econômica que defende a desregulamentação total da economia no interesse de empresas privadas, e um grande admirador de Milton Friedman, o pai do que é conhecido hoje como o capitalismo neoliberal.
Kataguiri e seus colegas ativistas de direita têm sido rápidos em se distanciar do legado encharcado de sangue de golpes de direita no Brasil e na América Latina por razões óbvias. No entanto, eles defendem precisamente as mesmas políticas econômicas como as promulgadas em toda a região, talvez o mais famosa no Chile sob a ditadura brutal de Augusto Pinochet, cujas políticas econômicas foram guiados diretamente por ninguém menos que Friedman.
Neste 18 de março de 2015 da foto, líder do protesto anti-governo Kim Kataguiri posa para uma fotografia em São Paulo, Brasil. (AP / Andre Penner)

Kataguiri explicou ao The Guardian em 2015: 

Defendemos mercados livres, impostos mais baixos e a privatização de todas as empresas públicas. ... No Brasil, a esquerda ainda é vista como cool pelos jovens. ... Queremos destruir esta ideia de que se você defender mercados livres, então você é um homem velho que está pedindo uma ditadura. ... Infelizmente, não temos qualquer grandes patrocinadores. O governo e alguns setores da imprensa dizer que são financiados por pessoas ricas. Nós não teria nenhum problema em ser financiada por pessoas ricas.
Infelizmente para Kataguiri, Ostermann, Torres e seus colegas, a verdade sobre suas ligações com o capital financeiro poderoso e negócios nos EUA e toda a América Latina é bem conhecida. Ainda assim, a mídia corporativa branqueia essas conexões, apresentando os protestos como uma espécie de pura expressão do descontentamento das pessoas, em vez de uma forma fabricados de manipulação política e de desestabilização que se apoderou tempos econômicos difíceis de explorar cinicamente a opinião pública. crise econômica do Brasil nos últimos dois anos tem feito isso muito mais fácil.
Outros grupos influentes como VemPraRua ( "Come to the Streets") estão diretamente financiado pelo poderosos de direita interesses comerciais no interior do país, incluindo o homem mais rico do Brasil, Jorge Paulo Lemann. Como observado na Bloomberg um perfil de Lemann 2013:
Nos EUA, Lemann é praticamente desconhecido, embora ele e seus dois parceiros de longa data, Marcel Herrmann Telles e Carlos Alberto Sicupira, agora controlam três ícones da cultura de consumo norte-americano: Heinz Ketchup, Burger King, e, após a aquisição da Anheuser $ 52000000000 -Busch em 2008, a cerveja Budweiser. O valor das empresas que correm mercado combinada é de US $ 187 bilhões de maior do que o Citigroup.
No Brasil, Lemann é um herói de classe empresarial. ... Worth cerca de US $ 20 bilhões, Lemann é No. 32 no Índice Bloomberg Billionaires, sete slots atrás George Soros e três à frente de Carl Icahn.
Enquanto isso, o reacionário, pro fora dos EUA. elementos dentro (e fora) Brasil são particularmente irritado com o Partido dos Trabalhadores e, mais amplamente, à esquerda. Isto não é por causa da corrupção - embora a corrupção continua a ser, sem dúvida, um problema - mas por causa da ascensão ao poder de forças políticas que representam classe trabalhadora e brasileiros pobres.
O Congresso norte-americano sobre a América Latina corretamente avaliada em abril de 2015: "Não acredito que a ênfase da mídia de direita sobre a corrupção-as recentes manifestações são motivados pelo descontentamento elite entrincheirada sobre expandindo a inclusão econômica e política para a maioria da nação." 

Trazendo BRICS ao calcanhar 

Em suma, apesar de toda a fantasia retórica anti-corrupção, o assalto ao governo de esquerda de Dilma é o resultado de uma campanha coordenada por interesses comerciais amarrados para os EUA Washington e Wall Street, que vêem no Brasil um precedente perigoso em que um governo de esquerda compreensão ea aliado com movimentos bolivarianos na Venezuela, Bolívia, Equador, e até recentemente, Argentina, foi capaz de ganhar poder e presidir um boom econômico.
A graph demonstrating the correlation between expansion of anti-government sentiment and the stagnation of GDP growth.Um gráfico que demonstra a correlação entre a expansão do sentimento anti-governo e da estagnação do crescimento do PIB.
Na verdade, este ponto não deve ser subestimado - ou seja, a crise econômica em commodities, como o petróleo, que pôs os freios em rápido progresso econômico do Brasil.
De fato, dados recentes mostram que a expansão do sentimento anti-governo se correlaciona diretamente com a estagnação do crescimento do PIB, que se correlaciona diretamente com a queda nos preços de commodities. Como muitos têm argumentado convincentemente, o colapso do petróleo, sem dúvida, foi lamentado e incentivada, se não diretamente orquestrada, por os EUA e seus aliados no Golfo a fim de orientar os países não-ocidentais, cujas economias estão vinculados a receitas de petróleo e gás - Venezuela, Bolívia, Brasil, e especialmente a Rússia.
Essencialmente, o que está se desenrolando no Brasil é um esforço em várias frentes para desestabilizar o país através de uma variedade de meios políticos e económicos, com o objetivo final de trazer ao calcanhar um membro chave do BRICS. Mas não é o único.
Brasil certamente não é o único membro do BRICS enfrentando uma ofensiva pelo sistema EUA-OTAN.
O próximo artigo desta série irá examinar as forças desestabilizadoras que atingem a África do Sul. peças futuras examinarão a crescente relação militar entre os EUA e a Índia, bem como as estratégias multi-facetadas para conter, isolar e desestabilizar a Rússia e a China.

Fonte: "MATÉRIA PÚBLICA"

LinkWithin

´ Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...