segunda-feira, 3 de abril de 2017

Grupo de manchas causa fortes explosões solares !

Mancha Solar AR2644 vista em ultravioleta
Imagem registrada pelo satélite SDO, da NASA, mostra a região ativa AR2644 no comprimento de onda do ultravioleta extremo. A cena foi processada com os dados do fluxo do campo magnético sobrepostos à mancha, o que nos permite observar o emaranhado de linhas magnéticas que aprisionam o gás ao redor da região ativa.

No último fim de semana, um grupo relativamente grande de manchas solares causou a maior série de rajadas de emissão eletromagnética desde o começo do ano. Os flares foram tão intensos que provocaram pelo menos três blecautes de radiopropagação em todo o planeta.
O grupo de manchas solares responsável por essa manifestação de força é a Região Ativa AR2644, um aglomerado de gás aprisionado por um campo magnético altamente instável e intrincado denominado Beta-Gamma-Delta, capaz de gerar fortes ejeções de massa coronal.
Esse grupo de manchas, que pode ser visto na foto abaixo, cobre aproximadamente 600 milionésimos do disco solar, ou cerca de 1.8 bilhões de km.
O primeiro relâmpago ocorreu no dia 1 de abril, quando os sensores a bordo do satélite GOES-13 registraram uma emissão muito intensa de raios-x, de classificação M4.4, partindo da zona AR2644. No dia seguinte, a mesma região ativa gerou um novo flash de raios-x, desta vez com intensidade M5.0. Ao todo foram seis flares registrados.
Para ter uma ideia, um flare de raios-x de magnitude 5 proveniente do Sol despesa no topo da atmosfera da Terra um pico de energia equivalente a 10 Gigawatts de potência no comprimento de onda dos raios-x. Por sorte, esse tipo de emissão não chega à superfície, pois é bloqueado na atmosfera. Caso contrário, fulminaria todos os seres vivos em poucos minutos. 
Mancha Solar AR2644 vista no comprimento de onda da luz visivel
Nesta cena vemos a região ativa AR2644 no comprimento de onda da luz visível.

Além da emissão em raios-x, os flares solares produzem emissões fortíssimas em ultravioleta, que ionizam a camada superior da atmosfera e altera a propagação normal das ondas de rádio.
De acordo com o SWPC, Centro de Previsão de Clima Espacial, as explosões solares do final de semana provocaram ao menos três blecautes de radiopropagação acima dos oceanos Pacífico e Índico. Esses apagões eletromagnéticos impediram por algumas horas as comunicações transoceânicas abaixo da Austrália, Filipinas e Nova Zelândia, além de interferências em sistemas de orientação baseados em Ondas Muito Curtas, ou VLF.

Fonte: http://www.apolo11.com/spacenews.php?titulo=Astro_Rei_acorda_grupo_de_manchas_causa_fortes_explosoes_solares&posic=dat_20170403-092823.inc

LinkWithin

´ Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...